Newsletter Versão Espanhola English Version
Conservação Participativa: O exemplo da Águia de Bonelli no Sul de Portugal 0 (0 Votos)
de Luís Palma

Idioma principal do documento: Português


Resumo em Português: Many simple people, in many small places, doing a handful of simple things will change the face of the world (old African proverb) Ao contrário do habitual na maioria da região mediterrânica, cerca de 70% da população portuguesa de águia de Bonelli (Aquila fasciata) nidifica em árvore, tanto em meio florestal como subestepário. No Sul do país, este comportamento abrange a quase totalidade dos casais, sendo a nidificação em rocha residual. No contexto de uma espécie de conservação prioritária na Europa, a conservação desta população arborícola apresenta uma relevância redobrada, por diversas razões: ? constitui actualmente mais de dois terços da população da espécie em Portugal ? encontra-se em acelerado processo de crescimento e expansão geográfica ? diverge geneticamente das populações vizinhas de forma significativa, indiciando um relativo isolamento, possivelmente de raiz comportamental ? o comportamento de nidificação arborícola permite a colonização de habitats com condições tróficas favoráveis, mas com escassez ou ausência de paredes rochosas A população arborícola de águia de Bonelli do Sul de Portugal constitui uma unidade de conservação particular, com características peculiares e com uma problemática de conservação própria. Reveste-se de especial importância a preservação das condições favoráveis à nidificação arborícola, pelo potencial que esta representa de ocupação pela espécie de vastas áreas do país desprovidas de condições para nidificação rupícola, com a correspondente melhoria do estatuto de conservação da espécie. A especial relevância de conservação da população arborícola de águia de Bonelli, devido à sua peculiaridade genética, ecológica e comportamental, e importância populacional, constituíu o leit-motiv do projecto LIFE - Natureza “Conservação de Populações Arborícolas de Águia de Bonelli” (2006-2010). Na sua implementação, o projecto tem-se baseado numa Visão: de que a conservação sustentável da população arborícola de águia de Bonelli do Sul de Portugal é conciliável com a exploração económica dos seus habitats através do envolvimento responsável de todos os que nela intervêm, de quem, em última análise, depende o futuro da espécie. O projecto tem seguido, como filosofia de actuação, a procura de soluções de sustentabilidade da conservação da espécie para além do termo do projecto, através da transferência para os utilizadores e gestores dos recursos naturais, e restantes partes interessadas – proprietários e associações de produtores florestais, empresas e gestores florestais, associações de caçadores e gestores cinegéticos, administração pública local e regional, em particular dos sectores das florestas, caça e ambiente – de conhecimentos básicos e indicação de medidas de conservação simples que possam ser integrados e aplicados nas actividades correntes de exploração e gestão dos recursos. Uma tal abordagem pretende contribuir para universalizar, autonomizar e descentralizar as responsabilidades na conservação da espécie, criando condições de sustentabilidade efectiva. Como exemplo concreto, pretende-se que as empresas florestais, os proprietários florestais e as suas associações, ou outros gestores florestais, incorporem no planeamento, exploração e gestão correntes dos recursos florestais, medidas especiais e temporais básicas de conservação da espécie que, embora ajustadas à lógica própria das diferentes actividades, se mantenham efectivas em termos de conservação, enquanto simultaneamente exequíveis de aplicação autónoma pelos interessados. Esse ajustamento e exequibilidade tem sido procurado através da participação activa das empresas, associações e outras entidades associadas à fileira florestal, na definição, discussão e negociação das medidas a aplicar futuramente pelos próprios nas respectivas actividades florestais, de forma tendencialmente autónoma e numa perspectiva de assunção de responsabilidades próprias na conservação quotidiana da espécie, como utilizadores e gestores dos recursos presentes no habitat desta. A mesma abordagem visando a auto-responsabilização dos interessados tem sido igualmente aplicada ao sector da caça, sobretudo a associações de caçadores e gestores cinegéticos, na perspectiva de que, em primeira análise e acima de quaisquer outros, está nas mãos destes a protecção efectiva da espécie. A produção de caça é fundamental para a conservação e crescimento da população de águia de Bonelli, entre outros predadores ameaçados que dependem da abundância das principais espécies de caça menor como presas básicas. Por outro lado, a actividade cinegética pode beneficiar directamente da manutenção deste e de outros predadores de topo pelo seu efeito de contenção sobre a abundância dos pequenos predadores generalistas e, indirectamente, pela mais-valia que a sua presença numa área de caça pode implicar de reconhecimento social da actividade e dos seus praticantes (imagem pública de responsabilidade, certificação cinegética...). Além dos anteriores conceitos, aos caçadores e gestores cinegéticos têm sido transmitidas medidas simples, facilmente aplicáveis, que permitem harmonizar a normal actividade venatória com a conservação da espécie, nomeadamente no que se refere a actividades potencialmente mais impactantes, como as montarias de caça maior. Por um lado, essa harmonização contribui para proteger mais eficazmente a espécie de riscos directos (abate ilegal, degradação do habitat) e indirectos (perturbação da reprodução). Por outro, permite facilitar e agilizar os processos de autorização de actividades venatórias e e concessão de áreas de caça, ao prever e incorporar desde logo nas pretensões apresentadas, medidas espaciais e temporais de salvaguarda da espécie no contexto da actividade cinegética, reduzindo a margem de conflituosidade potencial. Naturalmente, este processo pressupõe uma responsabilização mais directa e activa dos caçadores e suas instituições relativamente à conservação da espécie, facto que por si só aumenta a probabilidade de que essa conservação se torne efectiva e sustentável. Nas áreas de pequena propriedade, acresce que os caçadores são também produtores, empreiteiros ou trabalhadores florestais, agricultores, comerciantes, autarcas...com a óbvia relevância desse facto para a conservação. A viabilidade e eficácia deste processo de auto-responsabilização dos caçadores pressupõe naturalmente o apoio das associações de ambiente e/ou desenvolvimento e a colaboração activa dos responsáveis do ambiente, através do diálogo e acompanhamento das associações de caçadores e demais responsáveis de zonas de caça De qualquer modo e mais do que nunca, face ao esvaziamento do papel do Estado, não resta outro caminho, que o da transferência das responsabilidades sociais, para garantir a conservação sustentável das espécies e dos seus habitats, cabendo aos responsáveis públicos do ambiente (com o apoio das associações ambientalistas?) o papel de disponibilizar os meios, capacitar, dinamizar e facilitar, sem o qual essa responsabilização não é possível – uma mais do que necessária “extensão ambiental”?
Palavras-chave em Português: Águia de Bonelli, arborícola, conservação participativa, sustentabilidade

Detalhes
Tipo:
Comunicação/Apresentação

Áreas temáticas:
Ciências Biológicas, Ciências Agrárias e Desenv. Rural, Antropologia e Sociologia
Ano publicação/produção:  2010
Instituição:
CEAI-Centro de Estudos da Avifauna Ibérica
Referência bibliográfica:
Comunicação apresentada na Conferência "Conservação de Vertebrados Terrestres Ameaçados em Portugal - Situação Actual e Perspectivas", 2010, Évora.
Número de páginas:
 29

Preço:  0 €

Formato:
 pdf
Tamanho:
 3,3 Mbytes

Donativos
O download deste documento é gratuito, sendo os custos de alojamento e conectividade suportados pelo Pluridoc.
Se desejar contribuir para a sua sustentabilidade poderá efectuar um donativo do montante que desejar.
Muito obrigado!



Comentários/Opiniões
Este documento não tem Comentários/Opiniões.



|   Copyright © 2014 Naturlink. Todos os direitos reservados   |   Todos os conteúdos são da responsabilidade dos seus autores   |